Destino correto de resíduos industriais contribui com a preservação do meio ambiente

A preservação do meio ambiente caminha lado a lado com a saúde pública. Por este motivo, é essencial que todos os resíduos sejam descartados de maneira correta. Isso se aplica também aos rejeitos industriais, que são obrigatoriamente separados dos domiciliares por conterem substâncias químicas que podem ser prejudiciais em diversos aspectos, entre eles, o ecológico. Neste processo, é fundamental identificar o tipo do material, para saber qual será o melhor tratamento e destinação que ele receberá.

Para contribuir com o destino correto destes rejeitos, existem locais adequados e construídos com base em normas técnicas de engenharia ambiental, para promover o recebimento e disposição final dos resíduos, oriundos de residências e indústrias, são os chamados aterros sanitários e industriais. A exemplo disso, o Grupo RAC dispõe de um localizado no bairro Poço Oito, em Içara, que garante excelência no tratamento e descarga desses materiais.

“É fundamental a destinação correta e adequada dos resíduos sólidos, tanto os industriais como os domiciliares. O aterro sanitário e industrial é o local certo, projetado para isto. Com o descarte correto, quem ganha é o meio ambiente e a saúde pública. Além disso, é um dos braços do saneamento básico, que envolve também a água e o esgoto”, explica a engenheira sanitarista e ambiental do Grupo RAC, Ionice Maria Vefago.

Ainda conforme Ionice, o aterro é uma obra de engenharia, um local preparado para receber resíduos de forma a não contaminar o meio ambiente. “Assim como os rejeitos domiciliares, os industriais também possuem uma área impermeabilizante, ou seja, o material não tem contato algum com o solo, consequentemente, não há poluição. Esse espaço é criado de forma sistemática e planejada com o objetivo de não poluir”, enfatiza.

DESCARTE DO RESÍDUO INDUSTRIAL

Os resíduos industriais são definidos em duas classes, conforme o nível de periculosidade dos materiais, ou seja, os riscos que representam ao meio ambiente e à saúde pública. No aterro sanitário e industrial do Grupo RAC, são recebidos exclusivamente materiais da classe II, que não caracterizam perigo, como: gessos, discos de corte e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) não contaminados.

“Realizamos um contrato de prestação de serviço com a empresa que quer realizar o descarte e ela deve apresentar um laudo de caracterização dos resíduos. Só entra no aterro o que é acordado previamente. Para controlar, há uma inspeção quando os resíduos chegam no aterro. Tudo tem um controle para não comprometer o meio ambiente e a saúde”, finaliza Ionice.

Lembrando que, com a destinação correta dos materiais descartados, é possível evitar a contaminação do solo, bem como das águas subterrâneas, além de evitar doenças relacionadas a proliferação de transmissores potenciais dos resíduos.

 

GARANTIA DE UM SERVIÇO DE QUALIDADE

Para as empresas e indústrias que optam pelo trabalho desenvolvido pelo Grupo RAC, fica a certeza de garantir a destinação correta aos resíduos gerados. É o caso da RF Sul Caminhões. “Realizamos um forte trabalho dentro da empresa com o foco na preservação do Meio Ambiente e na conscientização da importância dele para as gerações futuras. Por isso, buscamos a parceria com o Grupo RAC pois sabemos que a empresa tem todas as certificações necessárias e dará a destinação correta a todos os resíduos. Desta forma seguimos com o nosso compromisso em prol do Meio Ambiente”, enaltece o diretor da RF Sul Caminhões, Dayson Roberto Silva.



Comentários: