RAC Saneamento utiliza o Biogás para a geração de energia elétrica

O cuidado com o meio ambiente e a preservação dele para as futuras gerações sempre esteve entre os principais objetivos do trabalho desenvolvido pelo RAC Saneamento. Entre as atividades desenvolvidas pela empresa, a disposição correta dos resíduos no aterro sanitário e industrial localizado na localidade de Poço Oito, em Içara, é de fundamental importância. Porém, além de garantir o destino para os materiais, a RAC Saneamento, desde novembro de 2017, vem trabalhando para promover o aproveitamento do biogás gerado no aterro sanitário e industrial para gerar energia elétrica.

O projeto que iniciou como uma planta piloto, hoje está em pleno funcionamento. “A unidade atual já é um projeto de ampliação de uma antiga planta piloto, instalada em 2017 e que serviu de testes operacionais e como verificação da viabilidade do projeto. Estamos em fase de estudos de novos projetos que aproveitem todo o potencial energético disponível nessa fonte”, explica o engenheiro sanitarista e ambiental da RAC Saneamento, Luca Silva Rieth.

De acordo com Luca, a unidade de geração de energia elétrica a partir do biogás já está em pleno funcionamento, devidamente licenciada pelo órgão ambiental estadual – IMA e em fase de estudos para um melhor aproveitamento de todo o potencial energético disponível. “O biogás gerado é coletado nos poços construídos por toda a área do aterro sanitário e industrial e é canalizado até a unidade de geração de energia elétrica. Na unidade, o biogás passa por um sistema de secagem e purificação e depois pelos motores a combustão que geram a energia elétrica”, explica Rieth.

 

Produção utilizada para consumo interno

Com a unidade atual, é possível produzir cerca de 1.000 m³/h de biogás que é utilizado para a geração de energia elétrica para consumo interno da empresa: iluminação, funcionamento da Estação de Tratamento de Efluentes, escritório administrativo, balança rodoviária, entre outras atividades. “A empresa eliminou os impactos ambientais de forma inovadora e pioneira na região, conferindo mais sustentabilidade ao processo de disposição final dos resíduos sólidos. Estamos em fase de estudos com as empresas vizinhas para o fornecimento de biogás e/ou energia elétrica gerada em nossa unidade, o que deve minimizar a demanda da concessionária e baratear os custos produtivos”, complementa o engenheiro.



Comentários: